28/07/2010

AS MÃOS TOCAM ESTRELAS

Que fazer com as mãos que possuem estrelas?



Beijá-las com o perfume dos lábios,
Enchê-las com os mimos do luar
Nesse teu céu de jasmim
Onde as estrelas devem estar.
Que fazer com as estrelas?
Olhá-las somente,
Num êxtase da beleza luminosa,
Preso pelo desejo de alcançá-las.
Nesse impulso do momento
Que é  a eternidade gloriosa.
Que fazer às estrelas que dás?
Devolvê-las em novos beijos
Pedir à sua luz perfumada
Que te dê  o dobro e mais!
Depois beijar-te as mãos puras
Nesse perfume de saudade
E abraçar-te com a  ternura
Da nuvem  da liberdade.
Enfim, que mais quero eu
Se sou o azul no teu Céu!?
-

17 comentários:

  1. Boa noite!
    Que belíssima postagem!
    Gostaria de publicá-la no meu Lusofonia Poética.
    Parabéns!

    Esse verso é pra você
    E eu, passei a noite a semear estrelas,
    para os sonhos enfeitar...

    carinhosamente,

    Mara

    ResponderEliminar
  2. Olá Mara, pode fazê-lo.
    Obrigado pelo verso.

    ResponderEliminar
  3. Obrigada querido!
    Estava esperando sua autorização.
    Boa noite.

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito da postagem e do verso .
    Beijinho com amizade

    ResponderEliminar
  5. Muito bonito! As palavras em número, tamanho e peso certo. Estou curiosa por saber se as estrofes foram decididas por ti ou pelo blogger...

    ResponderEliminar
  6. Espero sinceramente que um dia apanhe todas estas "sementes" de sentimento e "cultive" um livro. ADOREI

    ResponderEliminar
  7. Pintas: acho que os amigos e amigas vão ter de se organizar e tratar de 'plantar' o livro do Jordas ;)

    ResponderEliminar
  8. amigo, de Marrocos, estrelas africanas para ti...

    ResponderEliminar
  9. ...é sempre um prazer ler-te, poeta!

    obrigada pelos carinhos lá em meu canto!

    bjs e bjs desde um Brasil que ama
    teu Portugal.

    ResponderEliminar
  10. Olá, boa noite poeta de além mar!!! Tudo bem? Sempre agradável a tua visita e palavras, este poema é belíssimo... e fazendo um trocadilho com Manuel Bandeira eu diria, os poetas se entendem, as almas não, rs, bj!

    ResponderEliminar
  11. Olá, amigo!
    Passei para matar a saudade do seu cantinho e da sua poesia.
    Boa semana!!!
    Beijinhos.
    Itabira
    Brasil

    ResponderEliminar
  12. Olá! Adorei o seu blog, axei MTO interessante! Vou te seguir! Eu criei o meu a um mês e alguns dias, se quiser dar uma olhada fique a vontade!
    Abs!

    ResponderEliminar
  13. É lindo demais, meu amigo! Ainda não tinha lido!
    Pra ti!

    O Sonho de Leila

    É noite. Fiquei presa no castelo,

    Só... Escuto o uivo lúgubre do vento,

    Mesclado à reza triste do convento

    E ao som de um esquecido Saltarelo.

    Fixo o olhar nos mosaicos amarelos,

    E vêm à tona antigos sentimentos,

    O sono vai chegando em ondas, lento,

    Fecho os olhos e tenho um sonho belo:

    Havia essa princesa que dormia,

    Mergulhada num sono secular

    Qual Leila ou qual Bela Adormecida

    Mas eis que surge o princípe encantado,

    Que se põe aos seus pés a contemplar

    O seu sonho, desejo, fantasia

    De ser colhida, qual rosa, um dia;

    Num afã, ele rouba a castelã,

    Pousa-a perto da estrela da manhã,

    Ama-a muito nas nuvens de brocados,

    Depois, cobre-a com rosas de Ispaã...

    Poema da Renata dedicado à sua princesinha.

    Beijos, querido! Sempre comigo, sempre contigo!

    ResponderEliminar
  14. Oiê! Vim vê-lo!

    "Teus olhos são meus livros.
    Que livro há aí melhor,
    Em que melhor se leia
    A página do amor?

    Flores me são teus lábios.
    Onde há mais bela flor,
    Em que melhor se beba
    O bálsamo do amor?"
    *Livros e flores*
    Machado de Assis

    Beijo.
    Tenha um Lindo Dia!
    Renata

    ResponderEliminar